Pós-Graduação em Estudos da Tradução
  • Brazil – History of Translation/Brasil – História da Tradução

    Publicado em 23/05/2022 às 09:28 09Mon, 23 May 2022 09:28:03 +000003.

    A PGET divulga a publicação do verbete intitulado “Brazil – History of Translation/Brasil – História da Tradução”, de Andréia Guerini e Walter Carlos Costa, que está na Encyclopedia of Translation and Interpreting (ENTI) e pode ser acessado clicando aqui.

    Resumo: A história da tradução e da interpretação no território brasileiro é antiga, mal documentada e insuficientemente conhecida. No entanto, o Brasil é um país onde os Estudos da Tradução ocupam uma posição de destaque na pós-graduação e isso tem contribuído para que as pesquisas sobre história da tradução se multipliquem em diferentes instituições. O que segue é um panorama sucinto de uma história complexa, compreendendo vários séculos e envolvendo uma grande variedade de atores em uma área enorme. Séculos antes da chegada dos portugueses, houve, em diferentes graus, interpretação, entre os povos indígenas, sobretudo entre os tupis que ocuparam boa parte do litoral brasileiro e outros povos que habitavam a região. A partir do “descobrimento” oficial do Brasil em 1500, os colonizadores portugueses praticaram regularmente a interpretação com os diferentes povos indígenas, à medida que iam ocupando o território, muitas vezes usando o tupi como língua intermediária. Na sequência, com a chegada dos jesuítas, e com os esforços de catequização de parte da população indígena, as relações começam a se alterar e da tradição oral passamos à tradição escrita.  A tradição escrita ganha corpo depois da chegada da família real portuguesa ao Brasil, em 1808, pois os livros que antes eram impressos em Portugal passam a ser produzidos dentro no Brasil, sob o controle da Imprensa Régia. No século XIX, o país começa a publicar regularmente jornais, revistas e livros, e a tradução passa a ter uma presença importante, embora nem sempre explicitada. No século XX, assistimos ao desenvolvimento da indústria editorial nacional e nela a tradução vai ocupar um papel importante, em diferentes momentos. A tradução será feita sobretudo do francês e do inglês, de que serão feitas as traduções indiretas, que serão frequentes até a metade do século. No final do século XX e no século XXI, assistiremos a uma verdadeira revolução em termos de tradução no país, que coincide com a revolução digital e com o desenvolvimento das universidades. A tradução, feita crescentemente de modo direto de um amplo leque de línguas, não só passa a ocupar um lugar importante na produção nacional, como passa a ser estudada de modo sistemático nas universidades. São criados programas específicos de mestrado e doutorado em Estudos da Tradução, e há uma crescente bibliografia sobre a área, e vários periódicos especializados.


  • O DIA DOS BLOOMS – 20 anos de Bloomsday Floripa

    Publicado em 25/05/2022 às 09:10 09Wed, 25 May 2022 09:10:19 +000019.

    Dia 15 de junho de 2022: on-line: http://meet.google.com/hmh-atby-wkf

    Organização: Dirce Waltrick do Amarante, Sérgio Medeiros e Clélia Mello.


  • Centenario de Lima Barreto. Antología de cuentos brasileños

    Publicado em 23/05/2022 às 09:24 09Mon, 23 May 2022 09:24:41 +000041.

    Para conmemorar el centenario de Lima Barreto hemos preparado una edición con nuevas traducciones de siete de sus cuentos y una de sus crónicas. Estos llevarán a los y las lectoras hispanohablantes a recorrer las calles del Río de Janeiro de principios del siglo XX y conocer sus alegrías, contradicciones y miserias.

    La obra, que será publicada en junio de 2022 por Mago Editores, fue patrocinada por la Dirección de Artes y Cultura (DAC) de la Vicerrectoría de Investigación de la Pontificia Universidad Católica de Chile, mediante el Concurso de Creación Artística/ línea de investigación.

    El proyecto de traducción liderado por Leticia Goellner, traductora brasileña y académica de la Pontificia Universidad Católica de Chile, cuenta con un equipo de la misma universidad, constituido por Vicente Menares, Ignacia Montero y Pablo Saavedra. Además, incluye ensayos de dos investigadoras brasileñas del área de la traducción, la Dra. Dirce Waltrick de la UFSC y la Dra. Alessandra Harden de la UnB/Brasil.

    El Instituto Moreira Salles generosamente nos permitió usar la imagen de portada, una fotografía de 1890 (Marc Ferrez/Coleção Gilberto Ferrez/ Instituto Moreira Salles). Con este paratexto visual, se introduce al público hispanohablante la “Rua do Ouvidor”, uno de los escenarios fundamentales en los que Lima Barreto retrata la realidad de su época.

    Agradecemos a las siguientes instituciones por contribuir a la difusión de esta antología:

    – Embajada de Brasil en Santiago
    – Centro Cultural Brasil-Chile (CCBRACH)
    – Centro Cultural La Moneda (CCLM)
    – Facultad de Letras de la Pontificia Universidad Católica de Chile. Magíster en Traducción UC.


  • A Língua Mundial – tradução e dominação de Pascale Casanova, traduzido por Marie Hélène Catherine Torres e publicado pela editora da UFSC em parceria com a editora da UnB

    Publicado em 17/05/2022 às 15:23 03Tue, 17 May 2022 15:23:15 +000015.

    Em A Língua Mundial – tradução e dominação, a autora Pascale Casanova propõe um quadro inovador para analisar os mecanismos de dominação linguística, ao analisar o papel da tradução como meio, como instrumento contra a dominação linguística e também como um modo de acumulação de capital simbólico. A obra inicia com o exemplo das traduções do latim para o francês nos séculos XVI e XVII e acaba com uma discussão sobre as implicações da crescente dominação do que Casanova chama de Língua Mundial, ou seja, o inglês. Contra o bilinguismo coletivo que leva à dominação linguística e cultural, Casanova propõe a resistência à dependência a partir do posicionamento ateu, isto é, o posicionamento de não acreditar mais no prestígio da língua mundial (inglês). O papel da tradução seria o de lutar e daí medir o grau de dominação, já que a presença de tradução reduz a dominação. Trata-se de uma edição inédita em português do último livro publicado por Casanova em vida.


  • Raízes Feministas em Tradução: Italiano

    Publicado em 16/05/2022 às 14:11 02Mon, 16 May 2022 14:11:17 +000017.

    Acaba de ser lançado o livro Raízes Feministas em Tradução: Italiano, organizado por Ana Maria Chiarini (UFMG), Andreia Guerini (UFSC) e Karine Simoni (UFSC), pela Edições Câmara de Brasília.  A versão online do livro se encontra em: https://bd.camara.leg.br/bd/handle/bdcamara/40812


  • Classificação de Cadernos de Tradução na Scopus

    Publicado em 15/05/2022 às 11:25 11Sun, 15 May 2022 11:25:14 +000014.

    Cadernos de Tradução acaba de receber o seu ranking Scopus, relativo ao período 2019-2021, tendo sido classificada com o Q1 na Scimago Journal & Country Rank.  Trata-se da categoria mais alta que uma revista com indexação internacional pode alcançar.


  • Tradução, competência e didática: questões atuais

    Publicado em 15/05/2022 às 10:56 10Sun, 15 May 2022 10:56:14 +000014.

    Com onze capítulos escritos por 24 estudantes e pesquisadores, o livro “Tradução, competência e didática: questões atuais” aborda debates contemporâneos dos Estudos da Tradução e dos Estudos da Interpretação. O livro, que é organizado pelos professores Carlos Henrique Rodrigues e Anabel Galán-Mañas, foi publicado em 2021 pela Editora Insular.

    A iniciativa da obra partiu da disciplina “Perspectivas atuais das pesquisas em Estudos da Tradução e a formação de professores de tradução e interpretação”, ofertada no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução da Universidade Federal de Santa Catarina (PGET/UFSC). Seu desenvolvimento e conclusão se deram por meio da parceria entre a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e a Universitat Autònoma de Barcelona (UAB), proporcionada pelo projeto “Tradução, Tradição e Inovação”, que integra o Programa Institucional de Internacionalização CAPES-PrInt.

    O livro está disponível on-line e pode ser acessado gratuitamente aqui.


  • James Joyce: Finnegans Rivolta, com organização da Profa. Dirce Waltrick do Amarante

    Publicado em 15/05/2022 às 10:52 10Sun, 15 May 2022 10:52:41 +000041.

    É unânime a opinião de que o romance Finnegans Wake (1939), de James Joyce, é em princípio completamente intraduzível. O próprio Joyce, contudo, foi o primeiro a decidir que isso não era motivo para que ele não fosse transposto, transcriado ou traduzido, em algum sentido desse termo flexível. Depois do aparecimento em 1928 de Anna Livia Plurabelle, um texto que posteriormente se tornou o capítulo oitavo do romance, ele logo organizou um grupo de tradução experimental (para continuarmos empregando o termo tradução) para verter várias páginas desse capítulo para o francês, com o seu próprio auxílio; em seguida, colaborou na tradução de excertos menores para o inglês básico; e, finalmente, assumiu o comando de uma exuberante tradução para o italiano de algumas páginas anteriormente traduzidas para o francês. A despeito de sua óbvia intraduzibilidade, existem atualmente, e nisso seguem os passos de Joyce, várias versões, traduções, transposições ou transcriações completas de Finnegans Wake, em mais de uma dúzia de línguas diferentes. A primeira tradução em língua portuguesa de excertos, por Augusto e Haroldo de Campos, apareceu em 1957; ampliada, deu origem a um pequeno volume em 1962, sob o título Panaroma do Finnegans Wake. A primeira tradução completa do romance coube a Donaldo Schüler e apareceu em 2003 sob o título Finnicius revém. Capítulos individuais foram traduzidos por outras mãos, inclusive as de Dirce Waltrick do Amarante, a coordenadora arrojada e incansável de Finnegans Rivolta, a segunda versão completa em português do Brasil. Seguindo o exemplo de Joyce, que reuniu um grupo de tradutores, Finnegans Rivolta é o produto fascinante de onze tradutores.

    Patrick O’Neill Professor emérito de Estudos Literários na Queen’s University, Canadá.


  • Interlocuções sobre Língua de Sinais e Educação de Surdos

    Publicado em 15/05/2022 às 10:49 10Sun, 15 May 2022 10:49:04 +000004.

    Os dois volumes organizados pela Profa. Dra. Neiva de Aquino Albres e pela Doutoranda Mairla Costa (bolsista Capes) resultam de pesquisas apresentadas no II Colóquio Internacional Educação de Surdos, Libras e Interpretação (CIESLI), realizado na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução (PPGET) em 2019.

    O CIESLI é um evento periódico, que permite a discussão acerca da educação de surdos e os embates atuais que envolvem essa questão. O ponto central desse esforço constitui-se na perspectiva de evidenciar a discussão teórico-prática que abarca diferentes profissionais. Isso significa fortalecer princípios assumidos pela UFSC de disseminar a discussão para a comunidade por meio da extensão referente à pesquisa e ao ensino, envolvendo diferentes áreas.

    Essa articulação exige um diálogo interdisciplinar, ou seja, a integração entre diferentes campos do conhecimento. Assim, a realização desse evento é uma oportunidade importante para divulgar, refletir e discutir a educação dos surdos, a Libras como língua de instrução e interpretação educacional e para integrar os diversos personagens (docentes, discentes, professores de surdos, intérpretes e comunidade em geral).

    Os livros reúnem pesquisas sobre educação de surdos e políticas educacionais; ensino de Libras, tradução e interpretação de línguas de sinais, formação de tradutores e intérpretes de Libras e português no Brasil, em que aponta para uma diversidade de áreas, fundamentações teóricas e esferas de atuação.


  • Tradução das Profas. Letícia Goellner (PUC/Chile), Martha Pulido (Universidad de Antioquia), Andréa Cesco (PGET/UFSC) e do Prof. Júlio Monteiro (POSTRAD/UnB)

    Publicado em 15/05/2022 às 10:34 10Sun, 15 May 2022 10:34:14 +000014.

    TEJADA CANO, Luis. Lo desconocido es la vida/O desconhecido é a vida. Santiago de Chile: Editorial MAGO, 2020.

    O desconhecido é a vida é o resultado de uma iniciativa de publicação bilíngue espanhol-português das crônicas do autor colombiano Luis Tejada Cano, liderada pelas embaixadas da Colômbia no Brasil e no Chile e que faz parte do Plano de Promoção da Colômbia no exterior e foi implementada em aliança com universidades de três países: Pontificia Universidad Católica de Chile, Universidad de Antioquia, Universidade Federal de Santa Catarina e Universidade de Brasília.

    “[…] Não podemos finalizar esta introdução sem antes agradecer o empenho incansável do grupo de professores que, dos seus respectivos lugares de trabalho, Colômbia, Brasil e Chile, uniram-se em torno da obra de Tejada para concretizar o projeto: Dra. Letícia Goellner, da Pontificia Universidad Católica de Chile; Dra. Martha Pulido, da Universidad de Antioquia; Dra. Andréa Cesco, da Universidade Federal de Santa Catarina; e Dr. Júlio Monteiro, da Universidade de Brasília. Também estendemos nossos sinceros agradecimentos aos funcionários das embaixadas da Colômbia no Brasil e no Chile, pela liderança no projeto, e à Dirección de Asuntos Culturales del Ministerio de Relaciones Exteriores, em Bogotá”.

    Alberto Rendón Cuartas (Embaixador da Colômbia no Chile)

    Darío Montoya Mejía (Embaixador da Colômbia no Brasil)


  • Tradução da Profa. Andréa Cesco (PGET/UFSC) e dos egressos Dr. Fabiano Seixas Fernandes e Dra. Fedra Rodríguez

    Publicado em 15/05/2022 às 10:28 10Sun, 15 May 2022 10:28:39 +000039.

    Este livro recupera a memória e os avatares de várias mulheres ‒ artistas e pensadoras da Geração de 27 ‒ cujo legado se mostra determinante para a história da Espanha, da mesma forma que o de seus colegas pertencentes a essa geração incontornável.

    Mulheres que tiraram os seus chapéus, esse espartilho intelectual que as relegava ao papel de esposas e mães, e participaram sem complexos da vida cultural espanhola entre os anos 1920 e 1930. Entre elas, destacam-se escritoras, artistas plásticas, dramaturgas e pensadoras: Rosa Chacel, Ernestina de Champourcín, Marga Gil Roësset, Margarita Manso, María Teresa León, Maruja Mallo, Concha Méndez, Ángeles Santos, María Zambrano, Josefina de la Torre.

    Mulheres livres e disruptivas também em suas vidas privadas, apaixonadas e apaixonantes, que anteciparam e tornaram possíveis as mulheres de hoje, apesar do impacto da Guerra Civil, que acabou com tantos sonhos de liberdade e igualdade. A história merece ser contada na íntegra.

    BALLÓ, Tània. Las sinsombrero – sem elas a história não está completa. Belo Horizonte: Relicário Edições, 2022.

    O projeto contou com o apoio do Ministério da Cultura da Espanha.


  • Mulheres tradutoras

    Publicado em 30/03/2022 às 09:55 09Wed, 30 Mar 2022 09:55:41 +000041.

    Acesse o link e acompanhe a programação: http://www.casaguilhermedealmeida.org.br/programacao/index.php?mes=04&ano=2022.


  • Coleção: Estudos da Língua Brasileira de Sinais

    Publicado em 28/10/2020 às 09:19 09Wed, 28 Oct 2020 09:19:46 +000046.

    Lançamento, clique para ler:

    Os demais volumes podem ser visualizados clicando aqui


  • Coleção Palavra de Tradutor

    Publicado em 28/04/2020 às 12:16 12Tue, 28 Apr 2020 12:16:09 +000009.

    Clique para ler: